Como gerar um projeto modelo (Template) para o Visual Studio

Após descobrir como criar um Windows Service que pode ser executado como Console Application e debugado, veio a próxima necessidade: criar um Template para não necessitar realizar a mesma modificação em todo novo projeto de um serviço. Então aqui segue um passo a passo de como criá-lo:

Continue lendo “Como gerar um projeto modelo (Template) para o Visual Studio”

Criar um Windows Service em .NET que possa ser executado como Console

Esta tem sido uma semana forte com os desenvolvimentos em .NET, principalmente utilizando Windows Services. Seu uso é muito útil quanto ao auto-gerenciamento proporcionado pelo sistema operacional windows, além da gestão de eventos. Só tem um ponto que me incomoda no desenvolvimento de Serviços: DEBUG! A forma indicada pela própria Microsoft para isso é utilizar a função de Attach, porém isso requer que o serviço seja instalado e esteja em execução na máquina. Venhamos e convenhamos, imagina fazer isso a cada linha de código que você altere e queira ver o resultado.

Outra solução seria fazer comentar na classe Program a o processo de execução do de Service, criar uma instancia da classe Service e chamar o seu método principal, que inicie seu processo. Mas também não é muito prático, pois no momento de distribuir e instalar seu serviço, é preciso “lembrar” de descomentar seu código.

Continue lendo “Criar um Windows Service em .NET que possa ser executado como Console”

Desenvolvido um teclado virtual para smartphones baseado em vibrações

Traduzido de ALT1040.
Texto de JJ Velasco.

Hoje em dia ninguém se surpreende em ver um dispositivo com tela touch, tem se tornado algo dentro do cotidiano e não é nada raro dispor de um Smartphone com tela touch ou um tablet. As telas que podemos utilizar hoje em dia nada tem que ver com as telas touch que víamos a alguns anos e nos oferecem uma experiência de uso bastante confortável onde, por exemplo, escrever um Email não é nenhum problema. Se podemos escrever com certa comodidade, se temos que digitar um texto extenso, talvez prefiramos um teclado convencional e ainda que existam acessórios no mercado que permitem acoplar um teclado à um tablet, um estudante da Universidade Goldsmiths de Londres desenvolveu um curioso sistema que nos permitiria escrever sobre um teclado impresso em uma simples folha de papel.

Continue lendo “Desenvolvido um teclado virtual para smartphones baseado em vibrações”

Aprenda HTML5 e CSS3 com Thimble, o editor de Mozilla

Para quem acompanha o interessando mundo da famosa raposa vermelha (tudo bem, sabemos que na verdade se trata de um panda!), deve saber que o sistema operacional baseado em HTML da Mozilla está por chegar. Inclusive está disponível uma versão para testes (falaremos disso num próximo post). Em meio a várias  novidades, Mozilla lançou oficialmente Thimble, seu novo editor web. Ele funciona de forma muito parecida a algumas outras plataformas de aprendizagem que já mostramos aqui, porém com alguns detalhes interessantes.

 

Trata-se de um editor web com o objetivo de tornar muito fácil a tarefa de criar uma página web, inclusive para aqueles sem experiência como desenvolvedor. Toda a codificação é feita diretamente no browser, onde temos a tela dividida em duas partes. Do lado esquerdo você pode inserir e alterar o código web, e do lado direito as alterações são aplicadas em tempo real. O mais interessante é que caso digitemos algum código errado, Thimble nos avisa, indicando qual é nosso erro.

 

Outro diferencial é a capacidade de após criar seu código, poder publicá-lo com apenas um click. Simples assim!!!

Por fim existem vários exercícios de páginas exemplos em Thimble para que qualquer pessoa possa aprender os conceitos do desenvolvimento web com HTML5 e CSS3 (claro, alguns podem querer usar o Google Translator).

Vale a pena ter essa super ferramenta na sua barra de atalhos do browser e gastar algumas horinhas navegando pelas páginas de Thimble. Bom HTML!!!

Os Visionários da Tecnologia

Nestas duas semanas muitas coisas aconteceram no mundo da tecnologia. Tivemos mais um evento de lançamento de novos produtos da Apple, poucas semanas após o lançamento do iPhone 5. Agora para apresentar a nova linha de computadores Apple (como MacBook e iMac) e o tão comentado iPad mini. Vale lembrar que segundo consta, Steve Jobs sempre foi radicalmente contra um iPad de tamanho menor ao tradicional 10 polegadas. Pessoalmente acho interessantíssimo este lançamento, pois proporciona um maior leque de opções aos consumidores, claro sempre mantando o padrão de qualidade Apple, ponto máximo de seus produtos.

Esse aliás foi meu ponto de escolha para devolver meu tablet Motorola Xoom com Android e comprar um iPad. Pois é, eu juro que tentei usar o Android. Mas sinceramente não me pareceu intuitivo, era muito confuso. Sem falar que a versão do Android da época era a 3.1, ainda muito instável. Um dos pontos que justifica essa minha análise, por exemplo, foi que justamente comprei este tablet por ele aceitar a entrada de cartões de memória (além da memória interna do aparelho) o que era exatamente o que estava procurando, pois minha idéia era carregar no tablet as fotos tomadas com minha câmera  Qual não foi minha surpresa ao descobrir que mesmo o hardware tendo o suporte ao cartão de memória, o sistema operacional android não suportava!

Reclamações a parte, além do evento da Apple também tivemos na última semana o movimento do gigante adormecido. Chegou o tão esperado Windows 8 e com ele o Surface, primeira tentativa da história da Microsoft de desenvolvimento de seu próprio hardware. Ok, sabemos que a microsoft fabrica mouse, teclado e alguns outros periféricos. Aliás, foram alguns dos melhores mouses que já tive. Porém a mesmo nunca entrou no mercado de produção de PC´s, sempre tendo esta responsabilidade nas mãos de seus diversos parceiros. Ainda não tive a oportunidade de conhecê-lo, mas segundo alguns comentários aparentemente a Microsoft está no caminho certo.

Steve Jobs e Bill Gates

Me chamou muito a atenção a capa do caderno link de hoje do jornal O Estado de São Paulo onde falam justamente do atual momento destas duas empresas históricas, mais de 30 anos depois de serem fundadas. Com a morte de Jobs e a aposentadoria de Gates, ambas empresas tratam de seguir líderes num segmento cada vez mais competitivo (os coreanos estão chegando) e pelo menos por enquanto sinalizam ainda ter muita lenha para queimar.

Na reportagem foi citado o tão comentado encontro entre Steve Jobs e Bill Gates em 2007 na cidade de Carlsbad na Califórnia na conferência D5. Eles foram convidados para um debate onde se esperavam muitos ataques entre estes dois “concorrentes”, mas na verdade o que houve foi uma divertidíssima e histórica conversa entre dois velhos amigos universitários que criaram do nada uma nova indústria bilionária: a indústria da computação pessoal.

Deixo aqui alguns vídeos do YouTube onde podem rever a conversa entre estes homens históricos:

E para quem quer conhecer ainda um pouco mais sobre o mundo de Jobs, segue também um outro vídeo muito interessante. Trata-se da entrevista do escritor Walter Isaacson pelo programa da Tv Cultura, o Roda Viva em março deste ano. Walter Isaacson é o autor da biografia autorizada de Steve Jobs e esteve ao lado do líder da Apple nos seus últimos anos de vida.

Espero que tenham curtido o post. Um grande abraço a todos!

5 plataformas online para aprender quase qualquer coisa

Traduzido de ALT1040
Texto de Alan Lazalde

A educação formal não é tudo. Claro, a universidade também não. Muito menos agora em tempos de internet e sobre-informação. Em nossos dias, se não é um auto-didata e não aprende de maneira colaborativa, você fracassou como estudante. E, por outro lado, se você não desce do Olimpo dos professores-que-tudo-sabem para se converter em guia e colaborador de seus estudantes, você fracassou como professor. Simples assim.

Na sala de aulas todos devem ser alunos e todos devem ser professores de igual pra igual. Todos compartilhando conhecimento. Novas metodologias de aprendizagem terão que surgir neste sentido. Suponho que os pedagogos terão muito por falar sobre isso. Enquanto isso, na internet as coisas avançam sem freio e só resta seguir alguns princípios básicos, como este que nos ensinou Google: não memorize o conhecimento, o encontre quando necessite.

Quer aprender algo? Bom, espero que alguma destas plataformas te inspire a fazê-lo já. Agregue um pouco de ordem e disciplina pessoal na educação e te fará as coisas mais fáceis.

Que estas páginas em inglês não devam ser um impedimento, existe Google Translate. E dezenas de páginas para aprender idiomas também. Há outras páginas? Melhores? Sem dúvida. O ponto é ter a iniciativa de buscá-los; encontrar-los será o de menos.

1. Coursera

Vídeos, provas, interação com outros estudantes, para aprender ciência, nutrição, matemática, inclusive medicina e até finanças. Coursera conta com mais de um milhão de estudantes de praticamente todo o planeta, e os integra em uma plataforma coerente e seria para a auto-aprendizagem colaborativa.

2. Khan Academy

Aqui temos um pioneiro no rumo das plataformas de aprendizagem online. Khan Academy se distingue pela variedade de seus temas e pela extensão de plataformas sobre as que funciona (recomendo o app para iPad). Além disso você pode se converter em voluntário para fazer legendas de cursos e contribuir para o conhecimento dos outros: assim se forma uma comunidade.

3. Udacity

Autonomeada a universidade do século XXI, Udacity é uma plataforma para aprender resolvendo desafios, com projetos guiados por alguns dos melhores instrutores do planeta (de verdade). “Colocamos o estudante no centro do universo”, e já são mais de 100 mil os estudantes envolvidos em seus cursos: basicamente de ciências da computação. Udacity é inspirador.

4. edX

MIT, Harvard e Berkeley unidos em uma mesma plataforma de cursos online herdeiras das glórias de MIT Open Course Ware. Até agora os cursos são poucos, mas sugiro seguir de perto esta plataforma que promete nos surpreender com sua estupenda interface de usuário. Os cursos funcionam por assinatura.

5. ck12

Com um excelente desenho, ck12 apresenta dezenas de cursos de quase qualquer área do conhecimento para alunos de educação básica. O faz através de recursos interativos, livros online, enfocados em conceitos e exercícios, que além disso funcionam em qualquer plataforma ou dispositivo móvel. Necessitamos mais páginas como esta.

5 formas de ganhar experiência profissional sem um trabalho

Traduzido de ALT1040
Texto de Pepe Flores

Parece contraditório, eu sei, mas é possível. Para muitos jovens que saltam ao mercado de trabalho, a experiência é um dos itens que muitas vezes dificultam a sua entrada em novos trabalhos. Não apenas é um problema para quem busca ser contratado por uma empresa; para os trabalhadores autônomos, também é um inconveniente não ter um portfólio de clientes. Entretanto, há muitas maneiras de adquirir esta valiosa experiência sem necessidade de ter um trabalho de meio tempo ou ser estagiário em alguma companhia. Aqui estão apresentadas cinco maneiras de fazê-lo:

1. Ofereça seu trabalho pro bono

A expressão latina pro bono público significa “pelo bem público”. É uma forma para designar os trabalhos que são feitos de forma voluntária e sem esperar remuneração. São muito comuns na área jurídica, sobre tudo nos Estados Unidos, oned os advogados devem cumprir pelo menos 50 horas de trabalho pro bono. Se usa, sobre tudo, em disputas de ordem público ou para ajudar a pessoas que não tem recursos suficientes para pagar honorários.

No caso de outros ofícios e profissões, o trabalho pro bono não apenas apoia a quem necessita, senão também te dão uma valiosa experiência e te ajudam a fazer redes de contatos. Centenas de organizações não governamentais necessitam de uma página web, um aplicativo móvel, uma campanha publicitária, um redesenho de imagem, um evento de arrecadação, entre outras carências. é uma forma útil de fazer uma bom portfólio, de ajudar a alguém mais, e muitas vezes, se envolve o suficiente no projeto, que te abre as portas a mais trabalhos similares.

2. Participe de uma maratona

Não me refiro as maratonas tradicionais, mas as que pões à prova suas habilidades. Para o pessoal de TI, os hackatons são uma forma muito útil de fazer contatos, aprender mais e criar novos projetos. Estes eventos te dão a oportunidade de pensar em soluções para problemas reais, algo que em praticamente qualquer área profissional (e da vida cotidiana), será de muita utilidade para você. O mesmo encontra um par de pessoas interessadas em temas similares aos seus e criam um início de algo maior.

Outra maratona que não deveria perder de vista são os editatones de Wikipedia. No México, Wikimedia tem preparado um por mês. Se o que você gosta é escrever, é uma forma excelente de refinar seu estilo e colaborar com a comunidade. Tem espírito empreendedor? Então busque um Startup Weekend ou um evento similar para se reunir com mais gente para planejar uma empresa nova. Muitas vezes (a maioria), apenas ficam em esboços, mas isso pode te ajudar a esclarecer o que é o que quer fazer mais adiante e ir se especializando.

3. Ofereça (e faça) cursos

Estou certo que tem alguma habilidade que te diferencia ou algo que sabe fazer com muita facilidade ou maestria. Aproveite e ofereça um curso. Muitas vezes, as cidades tem espaços culturais que te permitem criar oficinas gratuitas – ou se acha que pode cobrar, tente – . Sempre terão pessoas dispostas a aprender novas habilidades. Estes cursos te ajudarão a melhorar sua facilidade de palavra, sua interação social e, além disso, será muito bem visto no seu currículo.

O mesmo se aplica no outro lado. Se tem o tempo de fazê-lo, inscreva-se a um curso de algo que te interessa. As habilidades que adquira serão úteis quando sair para o mercado de trabalho; e muitas vezes, farão a diferença. Tenho um amigo ilustrador que, graças a um lugar onde colaborou, aprendeu muitas técnicas de animação. Hoje é trabalhador autônomo e não lhe falta trabalho, além de que cobra muito bem por seu trabalho devido a isso.

4. Una-se a uma associação

Se está na universidade, corra para se unir a alguma associação estudantil ou grupo universitário. Pode ser crucial no seu futuro. Por exemplo, quando eu ia pra universidade, formei uma associação de rádio. Durante três ou quatro anos participei, em um terreno amador; porém, foi suficiente para que, ao entrar, minha experiência fosse levada em consideração para trabalhar como locutor. Estes grupos te dão a oportunidade de fazer muitas coisas, que resultam em experiência valiosa para o mundo real.

Se já está fora, tente com uma organização não governamental ou uma associação civil. Isto sim: leve em consideração o tempo que tem disponível, pois muitas vezes necessitarão aplicar bastante esforço. Ainda assim, formar parte de estes organismos te darão a chance de influenciar em temas públicos, e por sua vez obterá experiência de campo que poderá aplicar em outro lugar, ou, se você se apaixonar por esse trabalho, continuar por esse caminho.

5. Participar em um concurso

Parece ser mais difícil do que é, na verdade. Se você mergulhar um pouco a buscar pro inscrições, perceberá que há dezenas de concursos onde pode participar. Quem sabe ache que não tem muita oportunidade perante a quantidade de competidores, mas a verdade é que não é tanta gente que entra, o que aumenta suas possibilidades. Porém, não se decepcione se não ganhar; o importante é tentar para ir melhorando. O mesmo com as competições: podem dar muita experiência e uma grande bagagem.

Além disso, entrar em concursos te obriga a criar material inédito, o qual pode utilizar depois como uma amostra no caso de que deve ensinar o que sabe fazer. Em algumas situações, receberá um certificado de participação; e no melhor dos casos, conseguirá a satisfação de um prêmio, e de sobra, uma estrela a mais no seu currículo. Tudo conta.

 

 

 

 

 

Telenor se une a Telefonica em BlueVia e aos pagamentos integrados

Traduzido de ALT1040.

Texto de Carlos Rebato

BlueVia é uma das iniciativas mais interessantes que Telefonica tem apresentado no campo das aplicações móveis. Isto, unido ao seu sistema de pagamento integrado perante o qual o usuário pode pagar as aplicações de maneira transparente com sua fatura, são duas vias para facilitar aos desenvolvedores gerar entradas mediante o uso de APIs. Agora, a companhia acaba de anunciar que Telenor, o gigante das telecomunicações norueguês, acaba de se somar ao projeto.

 

O acordo aumenta exponencialmente as possibilidades de BlueVia e faz que esteja disponível para um número muito maior de usuários. BlueVia apresenta várias APIs, entre as principais se destacam: Payment API, que permite como mencionávamos carregar qualquer tipo de custo na fatura (com a consequente despreocupação por parte do cliente de ter que proporcionar dados extras); SMS API, que permite enviar mensagens aos usuários ou recebê-las por parte dos mesmos; MMS, similar mas com este protocolo, e User Context (Customer Info API), que permite conhecer dados do usuário como conexão e tipo de dispositivo que está usando.

Inicialmente a união de Telenor a BlueVia se concentrará na Paymente API, permitindo a desenvolvedores que suas aplicações e serviços funcionem sobre a infraestrutura de BlueVia enquanto compartem as entradas geradas. Ainda que esta seja a intenção principal no momento, ambas companhias não descartam que no futuro sejam lançadas novas APIs dirigidas a outras áreas de mercado.

Enquanto se desenvolvem outras iniciativas como Firefox OS, que apontam a mercados emergentes com pouca penetração no mercado de aplicações e onde o feito de ter uma base de dados com cartão de crédito é fundamental. Assim, perante a união entre Movistar e BlueVia se resolva este problema, apresente também em uma escala maior como em Google Play, onde a porcentagem de entradas em aplicações de pagamento é muito baixa.

As intenções de Telefonica com BlueVia fica claro então que vão muito mais além do mercado internacional da companhia, senão que converge dentro de uma visão muito mais global. Que Telenor suba ao carro é sem dúvida um grande passo, veremos se dará seus frutos.