Mais um dia começando no Anhembi. Acordando cedo para aproveitar ao máximo esse dia cheio de apresentações tão especiais. A noite até que foi tranquila, não fossem os milhares de campuseiros conectados e fazendo a festa noite a dentro. Para despertar nada melhor do que uma boa ducha. E parece que nesse ano alguns problemas de anos passados foram resolvidos. As instalações são excelentes. E para terminar um com café da manhã na área de Catering da Campus.

Era impressionante. A galera toda conectada como se a noite simplesmente não tivesse passado. Estavam todos ali, conectados e consumindo tudo o que este espaço pode lhes proporcionar.

A primeira palestra escolhida do dia foi a mesa sobre Gamificação do Mundo Corporativo onde foram apresentados e discutidos projetos que levam para dentro das empresas a paixão das pessoas pelos jogos e pela competição. Rodrigo Najjar apresentou seu trabalho para motivar a inovação e como os processos de jogos podem gerar novas idéias e produtos para as empresas. Cacau Guarnieri falou como as plataformas de jogos como por exemplo foursquare fazem com que as pessoas passem a serem verdadeiros fãs das empresas. Finalmente Leandro Montoya falou sobre como o ser-humano possui no seu instinto a necessidade de jogar. Também comentou sobre o caso do sumiço da estátua do Borba Gato como um grande jogo no estilo viral e como funcionou para promover uma exposição.

Seguindo minha veia de desenvolvedor participei da apresentação da plataforma de desenvolvimento da Telefonica Vivo Blue Via, que visa levar ao desenvolvedores a carta de clientes da empresa em todo o mundo e compartilhar com eles os ganhos. Um ponto forte da plataforma é a capacidade de conectar as apps dos desenvolvedores com as apis da plataforma e permitir que explorem a capacidade das empresas de telecomunicações, como por exemplo o serviço de SMS, que chega a todos os usuários de celulares.

A primeira grande palestra da Campus foi a apresentação do espanhol Andreu Veà, que trouxe a história vida da internet para as pessoas ali presentes. Ele entrevistou grandes nomes da tecnologia responsáveis pela criação de praticamente todos os serviços que utilizamos até hoje, além de desmitificar muitos mitos existentes sobre a internet, como por exemplo que teria sido criada para ser uma rede que suportasse uma suposta guerra.

Durante a tarde uma das minhas grandes expectativas era pela oficina sobre iOS, o que me deixou um pouco desapontado. Foram apresentados algumas melhorias feitas pela Apple no SDK, além de novos benefícios implementados pela versão 5. Entretanto tratou-se de uma palestra extremamente rápida, tanto que utilizou apenas metade do tempo previsto, não apresentados casos práticos da utilização da tecnologia que atrai a atenção de tantas pessoas. A impressão é de que ao contrário das plataformas abertas, a plataforma da Apple também possui pessoas fechadas quanto à disseminação do conhecimento.

Enquanto rolavam as palestras, São Paulo e por consequencia a Campus Party foram surpreendidas por uma chuva de verão típica desta época do ano.Foi o suficiente para painéis e paredes do evento caírem com a força dos fortes ventos. Mas para alguma coisa serviu: acabar com o calor sufocante que rolava pelo evento. Isto bastou mais uma vez para mostrar a força das redes sociais, pois instantaneamente as pessoas começaram a tuitar mensagens pedindo a mudança das próximas Campus para o mês de Março, a fim também de evitar o calor tão forte da cidade.

Em seguida, seguindo a linha das plataformas abertas, uma apresentação que me surpreendeu foi sobre Como Escalar Aplicações Desenvolvidas em PHP, onde foram apresentadas técnicas para melhorar o desempenho e a escalabilidade das aplicações PHP e principalmente técnicas para melhorar a utilização de seu banco de dados MySQL e seu servidor Apache, mostrando o quanto estas tecnologias evoluíram e não deixam nada a desejar aos grandes produtos proprietários.

Fechando com chave de ouro minha noite na Campus, rolou a surpreendente palestra com o professor e pesquisador indiano Sugata Mitra, defensor da teoria de que o computador e a internet podem substituir o modelo de ensino atual com os professores. Ele mostrou seu fantástico projeto Hole in the Wall, onde um computador foi instalado em uma parede de uma favela da índia, e crianças que nunca tiveram contacto com a tecnologia foram capazes de aprender sozinhas a manipular o equipamento. O projeto foi explorado e desenvolvido em outras partes da índia e do mundo e pode comprovar como o poder de incentivar as crianças a aprender sobre algo que lhes traz interesse pode ser o caminho para uma nova revolução na educação. Pretendo criar um post dedicado a este tema! Aguardem!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s