Publicado no blogdopaulinho

Andres Sanches

O currículo do novo Diretor de Seleções da CBF, Andres Sanches, pode não ser suficiente para qualificá-lo ao cargo que ocupará até 2015, mas, sem dúvida, é digno de alguém que será comandado por Ricardo Teixeira.

Na década de 90, viveu no Rio de Janeiro, ocasião em que utilizava-se do vulgo “André do Rio”, prestando serviços aos meios alternativos de loterias.

Depois, conduzido por empresários deste mesmo ramo, surgiu no Parque São Jorge, para trabalhar nas categorias de base do Corinthians.

Apresentado no clube como “grande empresário”, não passava, de fato, de “laranja” em empresas de sua própria família.

Conseguiu a proeza, em 2001, de ser demitido pelo então vice-presidente do Corinthians, Nesi Curi, por desviar atletas da base para uma equipe do interior de São Paulo, o Palmeirinha de Porto Fereira.

Por ingerência de seus amigos lotéricos, foi reconduzido ao cargo, com a promessa de beneficiá-los, a todos, com sua atuação junto a empresários de futebol.

Seu grande salto ocorreu quando da chegada do iraniano Kia Joorabchian ao Corinthians.

Juntos, tramaram a queda de Alberto Dualib.

A  intenção, deixar o clube oficialmente nas mãos da MSI, foi por terra quando a PF e o MP puseram Kia para correr do Brasil.

Restou então, a Andres Sanches, servir aos interesses dessa gente, novamente como “laranja”, tendo sua campanha à presidência financiada pelo grupo estrangeiro, com o acordo de beneficiá-los em caso de vitória.

Votos comprados, torcida comprada, e o antes “André do Rio” assumiu a presidência do clube, coordenando nos últimos quatro anos, um esquema de locupletação de fazer inveja às conhecidas Máfias de nosso mundo.

174 jogadores inscritos na CBF como profissionais, a grande maioria transacionada por parceiros daqueles que o financiaram.

Ficou conhecido, no meio futebolístico, como “Taxinha”, pelo hábito de cobrar, no mínimo, 10% sobre tudo que era comprado e vendido no Corinthians.

Permitiu também que velhos aliados arrumassem suas vidas financeiras no Corinthians.

Bicheiro e Médico tornaram-se engenheiros, Ladrão de Carga, agente de jogadores, Dono de estacionamento cuidou desde a piscina até as categorias de base, torcedores, viraram dirigentes.

Até treinador entrou no esquema, profissional este que reencontrará em seu novo ofício.

Se, mesmo estando há quatro anos sem receber salários no Corinthians, conseguiu ficar milionário, imagine o que não virá pela frente, com a ajuda de custo de R$ 50 mil, e o poder de colocar suas “mercadorias” vestindo a camisa amarela mais famosa do planeta.

Uma coisa é certa.

Ricardo Teixeira soube escolher, com rara felicidade, um substituto à altura de sua gestão.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s